Mercado em alta: Até ao 3º trimestre

Até ao final do 3.º trimestre, as obras construção e reabilitação de edifícios habitacionais licenciadas pelas autarquias aumentaram 10,1%, construções novas

Notícias Mercado em alta: Até ao 3º trimestre sobem os licenciamentos, construção e crédito à habitação
3 DEZ 2019 Voltar
17053002967603H.jpg

Até ao final do 3.º trimestre, as obras construção e reabilitação de edifícios habitacionais licenciadas pelas autarquias aumentaram 10,1%, construções novas licenciadas 19,1% e a concessão de crédito à habitação 3,9%.

De acordo com a Síntese Estatística da Habitação da AICCOPN, as obras de construção e reabilitação de edifícios habitacionais licenciadas pelas Câmaras Municipais nos primeiros nove meses de 2019, registaram um crescimento de 10,1%, em termos homólogos, para 12.290.

O número de fogos em construções novas licenciados até ao final de setembro foi de 17.558, o que traduz um aumento de 19,1%, face aos 14.739 fogos licenciados no período homólogo.

O novo crédito à habitação concedido pelas instituições financeiras regista um aumento de 3,9% para 7.579 milhões de euros, em termos homólogos acumulados até ao final de setembro, com o stock de crédito total à habitação fixar-se em 92.995 milhões de euros no final do período em análise, ao que corresponde um acréscimo de 0,1%, em termos homólogos.

Em setembro, a avaliação bancária na habitação atingiu, uma vez mais, novos máximos, fixando-se em 1.299 euros por m2, o que corresponde a um aumento de 7,8%, em termos homólogos, em resultado de uma subida de 9,6% nos apartamentos e de 4,8% nas moradias.

Também o consumo de cimento no mercado nacional totalizou 2.436 milhares de toneladas, o que corresponde a um crescimento de 16,4%, face a igual período do ano anterior.

No Alentejo, região analisada nesta síntese, o número de fogos licenciados em construções novas nos doze meses terminados em setembro de 2019 totalizou 924, o que traduz um aumento de 25,4% face aos 737 alojamentos licenciados nos 12 meses anteriores. Destes, apenas 22,7% são de tipologia T2 ou inferior, 54,9% de tipologia T3 e 22,4% de tipologia T4 ou superior. Quanto aos valores de avaliação bancária na habitação nesta região verificou-se, em setembro de 2019, um aumento em termos homólogos de 4,2% para 1.054 euros por m2.

 

(Fonte Diário Imobiliário, tratado por ASMIP)

Partilhar